Planeta Água

Turbina transforma vento em água sem agredir o meio ambiente

A escassez de água potável atinge diversas regiões do nosso planeta e diversas soluções já foram testadas, mas ainda assim o problema persiste. A nova tentativa para ajudar a, pelo menos, diminuir o prejuízo é uma turbina que promete transformar a força dos ventos em água própria para o consumo!

De acordo com o Ciclo Vivo, a turbina absorve o ar por uma entrada de no topo, em seguida o aquece para gerar vapor. Este vapor passa por um compressor de refrigeração que cria uma umidade, condensada e coletada. Esta água absorvida é encaminhada aos tanques de armazenamento, feitos em aço inoxidável, onde é filtrada e purificada. Para o seu bom funcionamento, o sistema necessita de ventos de pelo menos 24km/h.

Vento transformado em água

Seria uma ótima solução para lugares mais afastados, até regiões desérticas, onde o equipamento vem sendo testado. A empresa fabricante espera produzir mil litros de água por dia quando a turbina estiver funcionando perfeitamente, o que seria um grande diferencial na vida de qualquer comunidade. Além disso, tudo funciona de forma ecológica!

Em poucos segundos, garrafa deixa água própria para beber

Garrafa purifica água em poucos segundos

A falta de água potável atinge uma parte considerável do nosso planeta e causa a morte de milhões de pessoas por ano. Ainda não se pode dizer que foi descoberta uma solução para esse terrível problema, mas uma garrafa que purifica água quase que instantaneamente é, no mínimo, uma ótima ideia.

Encha a garrafa com uma água qualquer, agite-a por 60 segundos e pronto: você terá 750ml de água potável! O produto revolucionário, denominado CamelBak All Clear, possui uma tampa equipada com luz UV-C e um cabo USB. Na tampa, há duas baterias recarregáveis de íon-lítio capazes de executar, em uma garrafa cheia, mais de 80 ciclos de purificação com uma carga completa.

A luz UV-C destrói o DNA de micróbios de todos os tamanhos, incluindo, bactérias, protozoários e vírus que são transmitidos pela água. A destruição do DNA de um micróbio impede a reprodução dos mesmos, e sem a capacidade de reprodução, eles são neutralizados e tornam-se inofensivos” – explica a empresa criadora.

Entretanto, uma ressalva precisa ser feita: a falta de água potável é um problema que afeta, em uma maioria quase total, as famílias mais pobres do planeta; sendo assim, o preço que atualmente gira em torno de 100 dólares no mercado americano não seria adequado para a melhora dessas condições. Por outro lado, a possibilidade de criar um produto com uma função tão importante tem tudo para gerar ainda mais investimentos e baratear os custos de produção para, quem sabe, ajudar de verdade na distribuição de água potável.

Enquete rápida: se a garrafa chegar ao Brasil, você teria interesse em comprá-la?

Fonte: Ciclo Vivo

Mictório ecológico reutiliza água para descarga

Muitas das melhores ideias sustentáveis são extremamente simples, estão na nossa frente. Não é à toa que a reutilização é um destaque. Algo que já está feito transforma-se em algo completamente diferente com apenas algumas mudanças. O mictório “King of Urinal” é uma prova disso.

Criado pelo designer coreano Jang Wooseok, o mictório é simplista ao extremo no seu diferencial. Você faz suas necessidades e depois lava a mão, certo? Por que não escorrer a “água extra” e utilizá-la como descarga? Muito útil!

O nome é baseado na forma que o item se apresenta: parece a cabeça de um rei, na qual a parte amarela seria a coroa. Além disso, o design também reforça aos apressados a necessidade de lavar a mão após fazer xixi.

Super simples e uma ideia valiosíssima. Se você visse um desses no shopping, por exemplo, qual seria sua reação?

como funciona o mictorio sustentavel

Fonte: SuperInteressante

NASA propõe medidas para combater o aquecimento global

aquecimento global sorvete

O aquecimento global já foi muito discutido e até duvidado. Há pessoas que nem acreditam que está realmente acontecendo, enquanto cientistas e organizações tentam conscientizar as pessoas e apresentam ações mais ecológicas às ações hoje utilizadas. Uma dessas organizações é a NASA, que apresentou 14 propostas para esfriar a Terra.

Entretanto, antes de mostrá-las, cabe explicar um pouco sobre o pensamento em volta dessas propostas. Mesmo acreditando que a redução das emissões de carbono são também importantes para o resfriamento do planeta, a NASA focou seus estudos no metano e na fuligem.

Pra quem não sabe, o gás metano estimula o surgimento de ozônio em baixas altitudes, o que prejudica a respiração das plantas e, na prática, diminui a produtividade da agricultura. Já a fuligem, atrapalha a capacidade da água congelada refletir a radiação solar para fora do planeta, o que aumenta a temperatura da Terra.

Claro que sugerir propostas é uma coisa, torná-las viáveis é outra. Entretanto, cientistas acreditam que esse investimento seria válido. Até mesmo na questão financeira, pois os custos de prevenção seriam inferiores aos custos causados pelo aquecimento global, seja na saúde pública ou na agricultura.

7 propostas da NASA contra a fuligem:

  • Substituir a frota de veículos antigos responsáveis por emitir muitos poluentes na atmosfera;
  • Instalar filtros especiais em veículos movidos a diesel;
  • Proibir a queima de resíduos de agricultura ao ar livre;
  • Substituir fornos a lenha por fornos a gás ou combustíveis alternativos de queima limpa;
  • Levar a tecnologia de fornos por queima de biogás aos países pobres;
  • Substituir tijolos de barro por vigas verticais ou por tijolos de fornos de maior eficácia;
  • Substituir fornos a queima de coque – subproduto do carvão – por fornos mais eficientes.

7 propostas da NASA contra o metano:

  • Estender técnicas capazes de evitar o vazamento de gás em minas de carvão;
  • Eliminar as perdas e queimar o gás que escapa de poços de petróleo atualmente;
  • Diminuir vazamentos em gasodutos;
  • Separar o lixo biodegradável para reciclagem, compostagem, bem como o uso da biomassa;
  • Aprimorar o tratamento de esgoto a fim de capturar o metano capaz de escapar das estações;
  • Controlar emissões de poluentes provenientes da pecuária por meio de um tratamento especial para o esterco;
  • Arejar as plantações de arroz a fim de reduzir as emissões em plataformas alagadas.

Fonte: Info

Edifício na água pode ser solução para poluição urbana

edificio na agua

Estamos acostumados a pensar em edifícios e grandes construções como perda de espaço verde nas cidades. Cidades crescem sem pensar no meio ambiente e a poluição aumenta. Entretanto, o arquiteto holandês Koen Olthuis disse que não, que um “edifício” poderia ser a solução para a poluição. Assim nasce a Sea Tree (‘árvore marinha’, em tradução livre), um edifício de vida selvagem no meio de grandes rios e lagos urbanos.

A ideia é dar mais espaço ao verde nas cidades, tomadas quase que completamente pelos prédios. De acordo com o arquiteto, a construção, que teria em torno de 30m acima da água e 6-8m sob ela, poderia servir também para limpar rios poluídos e na absorção da água da chuva. Além disso, todos sabemos o quando as plantas podem ajudar na compensação do gás carbônico emitido.

E sabem de onde vem a inspiração de Olthuis? Das plataformas de petróleo! Isso mesmo, as próprias construções que direta e indiretamente prejudicam o nosso meio ambiente serviram de inspiração para algo que tende a ajudar. Não é irônico?

O arquiteto já conversa com administrações locais para viabilizar o projeto. Parece ser uma bela ideia, esperamos que dê certo!

Água como combustível é destaque neste “barco ecológico”

O combustível sempre foi um grande problema na busca por um mundo mais sustentável. Desde a extração do petróleo até à emissão de gás carbônico ao utilizar a gasolina, por exemplo, o combustível causa severos danos ao meio ambiente.

Hoje em dia, já possuímos a opção de utilizar carros elétricos, mas a empresa francesa Quimperié pretende revolucionar com seu “barco ecológico” movido à água. Com um gerador de hidrogênio como responsável pelo abastecimento elétrico,  o MIG 675 reutiliza a água usada para gerar o hidrogênio também como combustível.

Além disso, o barco é abastecido conforme é utilizado e sua única emissão é de vapor d’água, o que o torna um atrativo ainda maior para os apaixonados pela natureza.

Abaixo você confere um vídeo com mais detalhes sobre o barco:

Fonte: EcoD

Brasil desenvolve saneamento sustentável à base de energia solar

Não é novidade que o saneamento básico é um problema grave no Brasil. Aliás, no mundo inteiro. Além da poluição a céu aberto, altamente tóxica, as comunidades menos desenvolvidas não tem acesso à água potável, o que prejudica diretamente na qualidade de vida dos habitantes.

Entretanto, um projeto desenvolvido por pesquisadores da Unicamp (Universidade de Campinas) promete melhorar e muito esse serviço. Sustentável, economicamente acessível e muito eficiente, a nova tecnologia irá despoluir a água com o uso da energia do sol e nanopartículas de dióxido de titânio (TiO2).

Ao conectar um eletrodo de TiO2 às células solares e combinar as duas aplicações resultantes, os pesquisadores encontraram um processo de saneamento muito melhor do que os existentes, o que melhorará a qualidade de vida de muitas pessoas.

A tecnologia ainda está sendo patenteada pra produção em grandes escalas, mas a projeção é positiva. Esperamos que comece a funcionar o mais rápido possível, visto que o seu potencial é extremamente favorável para o nosso país e até para o mundo.

Enguias podem ser usadas como fonte de energia limpa

Lembra daqueles desenhos em que o personagem caía na água e uma enguia dava um choque elétrico nele? Pois é, parecia “coisa de desenho animado”, mas é a realidade. Bom, não é pra tanto, mas o princípio é o mesmo. As enguias geram sim energia elétrica!

A verdade é que as enguias possuem algo como pequenas baterias em seu corpo, podendo gerar uma alta descarga elétrica. Assim, se bem utilizadas, podem gerar energia elétrica para ligar até os seus utensílios domésticos, sem prejudicar o animal.

Aliás, não só podem, como já estão sendo. No Japão, no Aquário Enoshima, estão utilizando a energia gerada pela enguia, que seria desperdiçada, para acender uma árvore de Natal. Além da ideia em si ser muito bacana, pode ser utilizada como inspiração para outros grandes projetos, desde que não prejudique a saúde do animal, claro.

Veja como funciona o processo no Japão:

Indústria do plástico se une contra descarte de lixo no oceano

lixo no oceano

Ir à praia e ver o mar descuidado, mergulhar e receber um abraço de uma sacola ou de algum outro material já não é novidade pra ninguém. E o pior de tudo é o que você não vê! 70% do lixo nos mares está debaixo d’água, lá no fundo. Aliás, no Brasil, em época de Carnaval e festas de fim de ano, principalmente, essa situação chega a ser ridícula. Uma quantidade exorbitante de latinhas, por exemplo, pode ser encontrada ao mergulhar um pouco mais fundo em diversas praias do nosso país.

Qual é a solução? A indústria do plástico parece ter tido uma ideia. Grandes líderes mundiais do segmento se reuniram para criar um plano de ações que minimize de forma considerável o lixo nos oceanos. A “Declaração para Soluções em Lixo Marinho” (traduzido de forma literal do nome original “Declaration for Solutions on Marine Litter”) foi criada com o intuito de padronizar as ações mundo afora e já é adotada por 54 indústrias.

As ações estão programadas para serem iniciadas já em 2012, o que traz um certo alívio, pois normalmente vemos planos sendo assinados para bem no futuro, quando na verdade precisamos iniciar o processo o mais rápido possível.

Claro que o problema não é apenas com o plástico, afinal, vemos muitas latinhas e garrafas de vidro nos oceanos também. Será que essa ação motivará também as outras indústrias a fazer o mesmo?

Movimento Gota D’Água e artistas se unem contra Belo Monte

A construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, causa polêmica há mais de um ano. Com 11.233 MW de potência instalada, ela seria a maior usina hidrelétrica inteiramente brasileira. Seria, pois durante todo esse tempo ainda não se chegou 100% a um acordo, a uma decisão para colocar o projeto em prática. Aliás, o Movimento Gota D’Água acaba de lançar uma campanha convocando diversos artistas a pedirem à população que assinem uma petição contra a usina, que será enviada para a presidente Dilma.

O Movimento Gota D’Água quer transformar indignação em ação. Utilizam sua experiência em comunicação para dar vida a soluções sustentáveis de pessoas que dedicam-se a estudar melhorias para o nosso planeta. Ou seja, a campanha que busca trazer à tona os problemas na construção da Usina de Belo Monte tende a ser apenas a primeira do movimento.

O vídeo “Gota d’Água+10” é inspirado no vídeo e campanha “Five Friend – Vote“, idealizada por Leonardo DiCaprio. Aliás, o ator estadunidense irá juntar-se aos diversos artistas brasileiros na campanha sobre Belo Monte.

E você, é a favor ou contra a construção da Usina de Belo Monte?